https://apostasfc.com/melhores-casas/bet365/?utm_source=verminosos&utm_medium=bet365&utm_campaign=agosto

Viagem no tempo

Artistas perpetuam o futebol de botão

Quase todo marmanjo com mais de 30 anos jogou futebol de botão. Até a década de 1980, foi uma febre […]

Quase todo marmanjo com mais de 30 anos jogou futebol de botão. Até a década de 1980, foi uma febre entre crianças e adolescentes no Brasil e em muitos países. O jogo perdeu espaço com a popularização de videogames e computadores. Pena que não sobreviveu até o advento da internet e das ferramentas de editoração eletrônica. Senão, teria sido uma mania muito maior do que foi.

Na rede, são dezenas de sites brasileiros e estrangeiros que produzem artes de times de botão para impressão. Para quem sofria para conseguir equipes além dos integrantes do Clube dos 13 e das seleções campeãs mundiais, é uma festa. A revista Placar até dava uma forcinha, encartando em sua edição times para recortar, mas nada que se compare a oferta de opções de hoje em dia.

Quer jogar com clubes menores do Brasileirão? É claro que tem. Pode escolher qualquer um dos 100 das quatro divisões. Ou melhor, pense no time mais louco que conhece. Por exemplo, imagina no passado alguém dizer que possui botões do Hekkari United, de Papua Nova Guiné…

O Sandesign é um desses sites que fazem arte a serviço do futebol de botão. É mantido pelo sergipano Jonathas Sandes, 30. Em dois anos, o cientista social já publicou cartelas de 189 clubes de 25 países, além de 47 seleções. “No início, gastava duas horas para confeccionar o modelo. Hoje são cerca de 30 minutos”, detalha o verminoso por botonismo, que começou a jogar aos 9 anos.

Há quatro estilos de artes de futebol de botão. Quem prioriza o modelo basicão daquela época, só com escudo, número e cores; quem investe um pouco mais de tempo, realizando um visual mais apurado; quem inclui fotos dos respectivos jogadores de times históricos; e quem se inspira no próprio uniforme. Neste último, caso do Sandesign.

O trabalho de Jonathas é disponibilizado gratuitamente, assim como o de outros sites do gênero. Não à toa, ele recebe visitas inclusive do exterior. “Se naquela época existissem as ferramentas de edição e a internet, o futebol de mesa estaria sendo praticado por mais pessoas e faria parte da infância de muitos que hoje são fãs dos jogos eletrônicos”.

De fato, ao ver alguns dos times de botão abaixo, como o retrô da Holanda de 1988, não dá uma baita vontade de imprimi-los e ir direto jogar?

Galeria com 40 modelos produzidos pelo Sandesign:

11 bons sites que fazem artes de futebol de botão:

Formato de camisa

Sandesign

Escuderias

Equipaciones

Equipaciones Futbol Chapa

Equipos de Chapas

Formato tradicional

Amo Escudos

Arte em 3 Toques

Design de Botão

Escudos & Botões

Escudinhos

Formato com fotos

Botões & Esquadrões

19 respostas para “Artistas perpetuam o futebol de botão”

  1. Sempre tive gostos diferentes; em minha época de criança desenhava um a um os escudos (bandeiras das seleções) para colar nos botões.Hoje esses belíssimos sites me remetem e trazem aquele belo tempo. Meu muito obrigado e parabéns.

  2. Rafael, em Fortaleza temos a FUTMECE – Federação de Futebol de Mesa do Ceará que ainda hoje realiza jogos de futebol de botão, inclusive com a realização do Campeonato Cearense Individual e que possui vagas para Campeonatos Nacionais como o Brasileiro, Copa do Brasil e Nordestão. o Nordestão esse ano será disputado próximo fim de semana dia 1 e 2 de setembro em Caruaru e teremos 4 representantes na disputa. Ficamos de portas aberta para os amigos conhecer nossa estrutura e relembrar a infância fazendo parte do nosso grupo. o meu blog http://www.moreirafutmesa.blogspot.com tem varias noticias sobre o que esta rolando no futebol de mesa cearense, abraços e fico a disposição

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

// Categorias

// Histórico de Publicações

// As mais lidas

Quer ser o primeiro a receber nossas novidades por e-mail?

// TV Verminosos

// Tags

Compartilhe: