Verminosos por futebol




Viagem no tempo

10 curiosidades sobre a Copa América, o mais antigo torneio continental de seleções

A Copa América é mais antiga do que a própria Conmebol, a federação que a organiza

Troféu da Copa América, comprado em Buenos Aires em 1917, tem posse transitória (Foto: Divulgação)
Troféu do torneio, comprado em Buenos Aires em 1917, tem posse transitória (Foto: Divulgação)

Depois de 30 anos, o Brasil volta a sediar a Copa América, de 14 de junho a 7 de julho. Será a 5ª vez que o país recebe o torneio, depois de 1919, 1922, 1949 e 1989 – em todas elas, terminando vitorioso. Levando-se em consideração esta análise, portanto, um bom sinal para 2019.

Como vem acontecendo desde a edição de 1993, haverá participantes convidados de outros continentes. Japão e Qatar, este sede da próxima Copa do Mundo, em 2022, juntam-se às 10 seleções sul-americanas filiadas à Conmebol.

As equipes foram divididas em três grupos, e entrarão em campo em seis estádios de cinco cidades: Maracanã, Morumbi, Arena Corinthians, Mineirão, Arena do Grêmio e Fonte Nova.

Curiosidades

Para que você saiba mais sobre a Copa América, o torneio de seleções mais antigo do mundo em atividade, com mais de um século de existência, o Verminosos por Futebol lista abaixo 10 curiosidades.

A seleção brasileira ficou sem títulos da Copa América entre 1949 e 1989 (Foto: Divulgação)
A seleção brasileira ficou sem títulos da Copa América entre 1949 e 1989 (Foto: Divulgação)

1) Mais antiga do que quem organiza
A Copa América é mais antiga do que a Conmebol (a Confederação Sul-Americana). Houve um torneio em 1910, na Argentina, envolvendo os donos da casa, Uruguai e Chile, considerado não-oficial. Em 1916, os argentinos repetiram a dose, de 2 a 17 de julho, para marcar o centenário de sua independência. A Conmebol acabou fundada em meio ao campeonato, em 9 de julho.

2) Aproveite enquanto é seu
O troféu da Copa América tem posse transitória a cada edição, sendo entregue a partir da 2ª edição, em 1917 – em 1916, não houve premiação. Feito de prata e com base de madeira, ele foi comprado numa joalheria de Buenos Aires, mede 75 cm de altura e 30 cm de diâmetro e pesa 9 kg, o dobro da taça da Copa do Mundo. O Brasil possui oito réplicas referentes aos seus títulos.

3) Superioridade dos vizinhos
Houve 45 edições da Copa América, sendo Uruguai (com 15 títulos), Argentina (14) e Brasil (8) os maiores campeões. Os países mais vezes sede foram Argentina (9), Uruguai e Chile (7). Os campeonatos de 1975, 1979 e 1983 não contaram com sede fixa, tendo formato de ida e volta.

4) Copa do Mundo é que importa
Durante um bom tempo o Brasil não deu bola para a Copa América. Depois de ser campeão em 1949, o título só voltou ao país em 1989. Período que contou com conquistas até mesmo de Peru, Bolívia e Paraguai, enquanto a seleção somava três títulos da Copa do Mundo e um vice-campeonato. Já nas últimas oito edições da Copa América, o Brasil venceu quatro: em 1997, 1999, 2004 e 2007.

5) Estranhos no ninho sul-americano
Desde 1993, seleções de outras confederações continentais são convidadas pela Conmebol. O México esteve em todas as 10 edições até 2016, sendo vice-campeão em 1993 e 2001. As outras equipes foram Costa Rica (1997, 2001, 2004, 2011 e 2016), Honduras (2001), Jamaica (2015 e 2016), Haiti (2016), Panamá (2016), Estados Unidos (1993, 1995, 2007 e 2016) e Japão (1999). Em 2019, será a vez de Japão e Qatar.

Nas vezes em que sediou a Copa América, a Bolívia foi à final, como em 1997 (Foto: Divulgação)
Nas vezes em que sediou a Copa América, a Bolívia foi à final, como em 1997 (Foto: Divulgação)

6) Japonês com sangue brasileiro
Atsuhiro Miura foi o único japonês autêntico a fazer gol na única participação de fora do continente americano na Copa América. Os outros dois gols do Japão, na realidade, foram do brasileiro Wagner Lopes, naturalizado japonês.

7) A casa da Copa América
O estádio Nacional, de Santiago, no Chile, é o que recebeu mais jogos na história da Copa América: 74. Está à frente de Centenário (65), de Montevidéu, no Uruguai; Nacional de Lima (54), no Peru; e Monumental de Nuñez (37), em Buenos Aires, na Argentina.

8) Com ajudinha do alto
Nas duas edições em que sediou o torneio, a Bolívia chegou à final, aproveitando-se da vantagem de jogar na altitude de La Paz (3.600 metros acima do nível do mar). Foi campeã em 1963 e vice em 1997, perdendo para o Brasil.

9) Pouco para o Rei
Pelé só disputou a Copa América uma vez, em 1959, sendo artilheiro com 8 gols e vice-campeão. Se tivesse participado de outras edições, quem sabe se tornasse o maior goleador da história do torneio, marca de Zizinho e do argentino Norberto Méndez, que somam 17 gols. Zizinho disputou 33 jogos, enquanto Pelé fez somente seis.

10) O que vem pela frente
As próximas duas edições da Copa América, depois de 2019 no Brasil, já têm sede definida. A partir de 2020, o torneio passa a ser quadrienal, em anos pares, simultaneamente à Eurocopa. Primeiro, será na Argentina e na Colômbia, a primeira sede conjunta desde 1983. Depois, em 2024, ocorrerá no Equador.

Siga o Verminosos por Futebol:
Facebook
Twitter
Instagram
Youtube


// Categorias

// Histórico de Publicações

// As mais lidas

Quer ser o primeiro a receber nossas novidades por e-mail?

// TV Verminosos

// Instagram

// Tags

Compartilhe: